Governo quer proibir medicamentos para emagrecer.


O Brasil é um dos países com a maior receita de anfetaminas e emagrecedores do mundo, o Governo nunca controlou bem a comercialização deste tipo de medicamento no país, agora parece ter acordado para o problema.
A sibutramina já foi proibida na Europa, o laboratório que a desenvolveu já suspendeu a produção no mundo todo, restando apenas genéricos e similares. Com certeza estas medidas não foram à toa.
Anfetaminas aceleram o metabolismo, emagrecem, mas deixam as pessoas dependentes delas. Algumas surtam e tem problemas psiquiátricos graves, que depois requerem um tratamento independente e por longo período. O problema que não se tem como prever quem vai reagir mal à medicação. É um risco! Isto sem falar que a maioria dos pacientes que usaram anfetaminas ganharam tudo o que perderam e um pouco mais depois que pararam o remédio.
O que emagrece é mudança de hábitos, atividades físicas, tratamento da compulsão, se houver (com psicoterapia e medicação anti-compulsiva). Nem a sibutramina e nem a anfetamina são capazes de tratar a compulsão, pelo contrário, já vi pacientes piorarem da compulsão com esses medicamentos por se tornarem mais impulsivos.

Proposta de proibir os emagrecedores que atuam no sistema nervoso central, como a sibutramina e os derivados de anfetamina, foi anunciada a entidades médicas da área; para especialistas, decisão é radical e deixará pacientes sem alternativa de tratamento.
O reinado dos remédios emagrecedores está por um fio. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quer banir de vez a comercialização de todas as drogas usadas para emagrecer que atuam no sistema nervoso central: a sibutramina e os derivados de anfetamina (femproporex, dietilpropiona e mazindol).
A única droga para o tratamento da obesidade que continuará liberada será o orlistate (Xenical), que atua diretamente no intestino, reduzindo em cerca de 30% a absorção de gordura.
Diante de estudos que apontam que o consumo de sibutramina aumenta o risco de problemas cardíacos, desde o ano passado a Anvisa impôs novas regras e endureceu os critérios de venda dessa droga – considerada de primeira classe no tratamento da obesidade. Ela deixou de ser vendida como medicamento comum e passou a integrar a categoria dos anorexígenos, drogas que exigem receita especial.
A proposta de proibir os emagrecedores foi anunciada a especialistas e entidades médicas da área na semana passada e será publicada hoje no site da agência, junto com um parecer explicando os motivos.
Radical. Para médicos endocrinologistas que atuam no combate à obesidade, a medida é radical demais e vai deixar os pacientes sem opção de tratamento, já que o controle da fome e da saciedade ocorre no cérebro.
“Quase metade da população brasileira tem sobrepeso. Muitos pacientes não conseguem perder peso com o tratamento clínico convencional, que inclui dieta e exercícios físicos. Como vamos controlar a obesidade desses pacientes sem mexer no cérebro?”, diz o endocrinologista Márcio Mancini, chefe do departamento de obesidade do Hospital das Clínicas (HC).
Segundo Mancini, o estudo no qual a Anvisa se baseia para tentar banir a sibutramina foi feito em pacientes com mais de 55 anos, com doença coronariana. “Nós já não indicávamos sibutramina para pacientes cardíacos. O que vamos fazer com o resto da população obesa?”
A presidente da Associação Brasileira para Estudos da Obesidade (Abeso), Rosana Radominski, afirma que a Anvisa não considerou as atuais diretrizes sobre tratamento da obesidade. “Os técnicos não levaram isso em consideração. Como eles defendem mudanças de hábitos e exercícios físicos, ficará a ideia de que só é gordo quem quer. Colocaram no mesmo saco o profissional sério e os que promovem o uso indiscriminado dessas drogas. O correto seria intensificar a fiscalização.”
A endocrinologista Cláudia Cozer, diretora da Abeso, concorda. “A grande maioria dos pacientes toma esses remédios com critério e com acompanhamento. Retirar do mercado é uma medida drástica.”
Fonte: O Estado de São Paulo (15/02/11)

Compartilhe: