A memória depois dos 50.


O que é a memória e quais são suas principais funções?
A memória é uma das funções mentais mais complexas e está presente a todo o momento em nossas vidas. Hábitos, como dirigir, andar de bicicleta, escovar os dentes, sentar à mesa de um restaurante dependem da nossa memória sem que percebamos. Da mesma forma, a capacidade de apreciar um bom vinho e uma boa comida. A consciência de quem somos, qual nosso papel e desafios pessoais, nosso passado, as pessoas amigas e familiares, as saudades, as lembranças dos lugares que já visitamos, enfim, o sentido da nossa existência depende da memória. Os símbolos, os números e as letras não fariam o menor sentido, se não os tivéssemos aprendido e incorporado para sempre em nossa memória. Com essa diversidade, nossa memória precisa de todo o cérebro funcionando em harmonia, para que ela se dê plenamente e sem falhas. Mas é a memória cotidiana, àquela a quem recorremos para lembrar os eventos que se passaram e os compromissos que temos por vir, que é a mais sentida por nós. E é ela que muitas vezes nos deixa no vazio, ou melhor, no esquecimento.

Depois dos 50 anos, quais as principais doenças que acometem a memória?
São várias as doenças que podem acometer nossa memória. A depressão é a causa mais comum após os 50 anos e, me arriscaria a afirmar, que também antes dos cinqüenta. Ela tira a capacidade de concentração, tão necessária para que possamos aprender e guardar novas informações. Isso também pode ocorrer nos quadros de estresse e sobrecarga emocional. Carências vitamínicas, desnutrição e doenças metabólicas, como hipotireoidismo, também podem afetar a memória.
Doenças neurológicas, como a Doença de Alzheimer, doenças cérebro-vasculares (como o AVC e a ateroesclerose), Doença de Parkinson e outras formas de demência aceleram o envelhecimento do cérebro e produzem esquecimento, dentre outros sintomas neurológicos e psiquiátricos. A Doença de Alzheimer é a maior causa de demência após os 60 anos de idade, seguida de perto pelas doenças cérebro-vasculares. Identificá-las precocemente é crucial para prevenir seu avanço, bem como para retardar o esquecimento e a deterioração das demais funções psíquicas.

Existe alguma maneira de prevenir essas doenças e, assim, preservar a memória?
Sim. Hábitos saudáveis de vida são fundamentais. Estudos têm demonstrado que atividades físicas rotineiras podem retardar o envelhecimento cerebral. A alimentação também influi, evitando-se gorduras, carboidratos e açúcares, e comendo mais verduras e hortaliças. Alimentos que contenham beta-caroteno (abóbora, batata-doce, agrião, bertalha, espinafre, couve-flor), vitamina C (acerola, abacaxi, laranja, limão, goiaba, brócolis, repolho) e vitamina E (cereais integrais, hortaliças, óleos de sementes) são muito bons, pois possuem ação antioxidante e ajudam o cérebro a se livrar dos radicais livres, tão danosos. Isso pra não falar em parar de fumar e consumir bebidas alcoólicas moderadamente. Tanto o cigarro como o álcool são fatores de risco para doenças cérebro-vasculares. Aqueles que possuem doenças crônicas, como diabetes e hipertensão arterial, devem manter o tratamento e o controle rigoroso, evitando que essas doenças agridam o cérebro. Evitar o estresse e ter bom hábito de sono também ajudam.

Por que a perda de memória é mais comum na terceira idade?
Porque à medida que o cérebro envelhece e sofre as agressões do ambiente, a memória dá sinais de enfraquecimento. Mas é importante frisar que envelhecer não é sinônimo de ficar esquecido. O desempenho cognitivo, assim como a memória, diminui um pouco com a idade, é verdade. Os movimentos e os reflexos, antes rápidos, tornam-se mais lentos, a atenção, um pouco mais dispersa, o raciocínio pode ficar mais vagaroso, algumas falhas de memória podem acontecer. Porém, o esquecimento, se patológico, deve sempre ser investigado. Como após os 60 anos há um aumento na incidência das doenças degenerativas, devemos estar sempre atentos para um esquecimento que pode revelar uma doença e não ser natural da idade.

Como prevenir o envelhecimento do cérebro?
É importante manter o cérebro em funcionamento. Estamos falando de uma época em que muitos se aposentam, passam mais tempo em casa, muitas vezes se deixando absorver pela rotina do lar e da família. Muitas pessoas que antes tinham uma atividade cognitiva intensa vêem a demanda cognitiva reduzir drasticamente. É fundamental cultivar hábitos de leitura, fazer palavras cruzadas, manter vida social ativa e sentir-se produtivo.

Terapias alternativas como, artesanato, aulas de dança, jardinagem, são indicadas para preservar a memória?
Todas as atividades que aumentem a interação social, estimulem o interesse e mantenham a pessoa mais produtiva são bem vindas. Porém, para a memória, em especial, é importante que a atividade envolva algum grau de dificuldade cognitiva, ou seja, que estimule o raciocínio, a atenção e a memória. A leitura diária é um bom exemplo. Um exercício simples, como ler e depois tentar se lembrar do que leu e um jogo da memória estimulam muito essa função. Escrever também é bom, p.ex. fazer um diário, com o que fez ao longo do dia, mantém a pessoa antenada, a par do dia e dos eventos que aconteceram.

De que maneira o estilo de vida influencia na memória?
Influencia de duas maneiras. Têm atividades que podemos fazer para diminuir as agressões aos neurônios: são medidas de proteção. Cuidar da saúde física, de doenças crônicas, da dieta, reduzir o consumo de alimentos e substâncias nocivas diminuem os insultos ao cérebro, evitando a formação de radicais livres e substâncias tóxicas, que agridem e matam mais neurônios. A outra maneira é realizando atividades de estímulo, que irão reforçar circuitos cerebrais importantes, como o da memória. Por isso a leitura, exercícios cognitivos, atividades que estimulem a interação social e o bem estar. Nosso cérebro é dotado de plasticidade, ou seja, ele pode se reconfigurar a partir de estímulos do ambiente, fazendo novas conexões entre os neurônios e reforçando determinada função que está sofrendo. Esta plasticidade pode ocorrer para o bem ou para o mal, depende apenas do que oferecemos ao nosso cérebro. Mesmo na terceira idade, o cérebro não perde sua plasticidade e isso nos dá esperança de mudar sempre.

Existe alguma estatística da ocorrência de doenças degenerativas cerebrais?
Sim. No caso da doença de Alzheimer, causa mais comum de demência, as taxas de incidência e prevalência variam de acordo com a faixa-etária. Ela é rara antes dos 60 anos, porém aos 60 já é cerca de 10% da população daquela idade. Esta taxa dobra a cada 5 anos, chegando a 50% entre as pessoas que têm 95 anos. O aumento geométrico na incidência da doença deve-se ao fato do envelhecimento cerebral ser o maior fator de risco para a doença. Aos 85 anos, p.ex., a chance de a pessoa ter a doença de Alzheimer é nove vezes maior do que quando ela tinha 69 anos.

Compartilhe:
Receba as postagens por eMail

Receba as postagens por eMail

Insira o seu Email abaixo para receber as postagens, notícias e comunicados do Web Site do Dr. Leonardo Palmeira.

Sua inscrição foi realizada!!