Lidando com a pandemia do COVID-19 em populações com doenças mentais graves.


Nesta semana foi publicado na revista JAMA Psychiatry um artigo levantando a preocupação com uma população específica que poderá sofrer consequências graves da epidemia de COVID-19: as pessoas portadoras de transtornos mentais graves.

Segundo o médico Benjamin Druss, da Rollins School of Public Health, ligada a Universidade Emory, em Atlanta, Georgia, a pandemia da COVID-19 representará um estressor sem precedentes para pacientes e sistemas de saúde em todo o mundo. Como atualmente não há vacina ou tratamento para a infecção, os esforços atuais de saúde estão focados em fornecer prevenção e rastreamento, manter a continuidade do tratamento para outras condições crônicas e garantir acesso a serviços apropriadamente intensivos para aqueles com os sintomas mais graves.

Os desastres afetam desproporcionalmente populações pobres e vulneráveis e os pacientes com doenças mentais graves podem estar entre os mais atingidos, segundo ele. Altas taxas de tabagismo nessa população podem aumentar o risco de infecção e conferir pior prognóstico entre os que desenvolvem a doença. Instabilidade residencial e falta de moradia podem aumentar o risco de infecção e dificultar a identificação, o acompanhamento e o tratamento daqueles que desenvolvem a doença. Indivíduos com doenças mentais graves empregados podem ter dificuldades para tirar uma folga do trabalho e podem não ter cobertura de seguro suficiente para cobrir testes ou tratamento. Pequenas redes sociais podem limitar as oportunidades de obter apoio de amigos e familiares, caso indivíduos com doenças mentais graves fiquem doentes. Tomados em conjunto, esses fatores podem levar a taxas elevadas de infecção e piores prognósticos nessa população, alerta o Dr. Druss.

Apoio a pacientes com doença mental grave

As pessoas com doenças mentais graves devem receber informações precisas e atualizadas sobre estratégias para mitigar os riscos e saber quando procurar tratamento médico para o COVID-19. Os materiais voltados para o paciente, desenvolvidos para populações em geral, precisarão ser adaptados para abordar problemas de comunicação em saúde e desafios na implementação de recomendações de distanciamento em situações de pobreza e situações instáveis de vida. As mensagens precisarão fornecer garantias de que aqueles que procuram atendimento não sofrerão penalidades com relação ao custo ou ao status de imigração. Os pacientes precisarão de apoio para manter hábitos saudáveis, incluindo dieta e atividade física, bem como o autogerenciamento de condições crônicas de saúde mental e física.

Também será importante abordar as dimensões psicológicas e sociais dessa epidemia para os pacientes. A preocupação pode exacerbar e ser exacerbada pela ansiedade e pelos sintomas depressivos. Estratégias de distanciamento físico, fundamentais para mitigar a propagação da doença, também podem aumentar o risco de solidão e isolamento nessa população. Aqueles que adoecem podem enfrentar um estigma duplo associado às infecções e às condições de saúde mental. Para qualquer paciente, os sintomas psicológicos surgirão em um contexto pessoal e social único que deve ser considerado no desenvolvimento de um plano de tratamento.

Capacitar médicos de saúde mental

Os médicos de saúde mental costumam ser o principal ponto de contato com o sistema de assistência médica mais amplo para seus pacientes com doenças mentais graves e, como tal, são os primeiros a responder à pandemia de COVID-19 para muitos desses indivíduos. Os médicos de saúde mental precisam de treinamento para reconhecer os sinais e sintomas desta doença e desenvolver conhecimentos sobre estratégias básicas para mitigar a propagação da doença, tanto em seus pacientes quanto em si mesmos. Os médicos devem conversar com seus pacientes sobre a melhor forma de implementar as estratégias.

Os médicos precisarão de apoio para manter sua própria segurança e bem-estar. Sempre que possível, os serviços devem ser prestados via tele-medicina, e não pessoalmente, e quando visitas pessoais forem necessárias, devem ocorrer em formatos individuais e não em grupos. O apoio dos colegas será essencial para manter o bem-estar físico, mental e social, principalmente se a pandemia for de duração prolongada.

Fortalecimento dos sistemas de saúde mental

É provável que a pandemia do COVID-19 exerça grande pressão sobre os centros comunitários de saúde mental e os hospitais psiquiátricos. Essas instalações têm capacidade limitada para rastrear ou tratar condições médicas, e poucas têm relações existentes com agências de saúde pública locais. É essencial que essas organizações desenvolvam planos de continuidade de operações para garantir que possam manter funções vitais em face de doenças da equipe ou escassez de medicamentos psicotrópicos. As clínicas precisarão de protocolos para identificar e encaminhar pacientes em risco de infecção e estratégias de quarentena para clínicos que desenvolvam sintomas da doença. Proteções ambientais adequadas, incluindo espaços bem ventilados, fácil acesso à lavagem das mãos e equipamentos de proteção individual devem estar disponíveis. As configurações institucionais, incluindo hospitais psiquiátricos, asilos e instalações de cuidados prolongados, correm um risco particularmente alto de surtos e precisam garantir que eles tenham planos de contingência para detectá-los e contê-los, se ocorrerem.

Expansão das políticas de saúde mental

Nas próximas semanas, haverá nos EUA uma onda de novas leis e regulamentos federais e políticas estaduais desenvolvidas para mitigar os resultados econômicos e de saúde do surto de COVID-19. Essas políticas terão uma urgência particular para populações com doenças mentais graves devido aos seus riscos elevados. As autoridades governamentais de saúde mental desempenharão um papel crítico na criação e administração de políticas relacionadas ao COVID-19 em seus hospitais e clínicas de saúde mental. O papel das políticas sociais, apoio à moradia e licença médica remunerada para funcionários serão vitais para garantir a saúde e o bem-estar dessa população.

A pandemia do COVID-19 criará desafios sociais e de saúde sem precedentes nos EUA e internacionalmente. Pessoas com doenças mentais graves correm um risco excepcionalmente alto durante esse período, assim como o sistema público de saúde mental, essencial para a prestação de seus cuidados. Um planejamento e execução cuidadosos em vários níveis serão essenciais para minimizar os resultados adversos dessa pandemia para essa população vulnerável.

* Texto traduzido e adaptado do artigo original: Druss BG. Addressing the COVID-19 Pandemic in Populations With Serious Mental Illness. JAMA Psychiatry.Published online April 03, 2020. doi:10.1001/jamapsychiatry.2020.0894, disponível em inglês em https://jamanetwork.com/journals/jamapsychiatry/fullarticle/2764227

Compartilhe: