Quetiapina (Seroquel).


Quetiapina (Seroquel) é uma droga antipsicótica desenvolvida inicialmente para esquizofrenia, para qual foi aprovada em 1997 pelo órgão regulatório norte-americano FDA. Em 2008 foi aprovada também para o tratamento do transtorno bipolar (TBH), tanto das fases maníacas como das depressivas e como tratamento de manutenção para evitar recaídas. Mais recentemente a quetiapina tem sido estudada na depressão unipolar (depressão clássica) e na ansiedade generalizada como monoterapia e com excelentes resultados.

Ela age no cérebro bloqueando os receptores de dopamina, estimulando receptores de serotonina e inibindo a bomba de recaptação de noradrenalina, atuando desta forma nos três sistemas de neurotransmissão (dopamina, serotonina e noradrenalina), o que justifica sua ação na psicose, na mania, na depressão e na ansiedade.

Em 2007 foi desenvolvido o comprimido de liberação prolongada (Seroquel XRO) que têm como vantagem a tomada única diária com a redução dos efeitos sedativos (por não haver o pico plasmático da droga em função de sua liberação no intestino ser prolongada).
O efeito colateral principal da quetiapina é a sedação. Geralmente esta sedação é de 10 a 12 horas após a tomada do comprimido, reduzindo significativamente após 2 semanas de tratamento, sendo a sedação maior com o comprimido de liberação imediata do que com o de liberação controlada (XRO). É recomendável que o paciente tome o medicamento mais cedo, por volta de 20 ou 21h, para evitar a sonolência no dia seguinte de manhã.

Outros efeitos colaterais que podem ocorrer são boca seca, tonteira (associada a sensação de sonolência), aumento de apetite e ganho de peso (mais no tratamento de longo prazo). O ganho de peso ocorre geralmente em doses superiores a 400mg/d e dificilmente é a razão para descontinuação do medicamento, principalmente se o paciente fizer atividades físicas regulares e cuidar de sua dieta. Em doses maiores do que 400mg apenas 10% dos pacientes ganharam mais do que 7% do peso que tinham antes do tratamento segundo os dados do estudo com Seroquel.

Efeitos colaterais tradicionalmente associados aos antipsicóticos, como tremores, rigidez muscular, parkinsonismo, hipersalivação, inquietação são muito raros e mostraram-se equivalente ao placebo nos estudos comparativos.
Laboratorialmente pode ocorrer aumento discreto do colesterol, dos triglicerídeos e da glicose, aumentando o risco de síndrome metabólica em pacientes obesos, sedentários e/ou predispostos à diabetes. Exames de sangue periódicos devem ser feitos enquanto o paciente estiver sendo tratado com Quetiapina para avaliar o risco a longo prazo.

As doses usualmente recomendadas são:
XRO 50 – 150 – 300 mg/d – depressão unipolar e ansiedade generalizada
XRO 300mg/d – depressão bipolar
XRO 300-600mg/d – mania, tratamento de manutenção do TBH e esquizofrenia
Dose máxima recomendada: 800mg/d

Na prática clínica tem-se utilizado a quetiapina de liberação imediata como hipnótico em pacientes que tenham contra-indicação do uso de tranquilizantes ou que tenham insônia resistente aos hipnóticos tradicionais.

O uso de quetiapina em idosos tem-se mostrado seguro, sendo uma opção útil nas crises de ansiedade, insônia ou em alterações do comportamento.

A quetiapina foi desenvolvida e é comercializada pelo laboratório AstraZeneca sob o nome de Seroquel e Seroquel XRO.

Compartilhe: