Filhos de pais mais velhos nascem com mais mutações genéticas


As mutações “de novo” ocorrem durante a divisão celular da produção de espermatozóides e geram variações de cópias de genes (CNV). Com o avanço da idade do homem, o número de CNV aumenta e isso é transmitido para o filho no momento da fecundação. Essas mutações em geral não causam doenças, algumas podem ser inclusive benéficas, mas o que pesquisadores descobriram é que alguns genes que sofrem mutações “de novo” podem aumentar o risco de doenças como esquizofrenia e autismo no filho. Essas novas mutações farão parte do DNA do filho, que passa a transmitir as mutações para as gerações futuras, acarretando o mesmo risco, sendo que as próximas gerações receberão novas mutações “de novo” das gerações anteriores e assim por diante. O que contribui para a evolução da espécie agora se sabe que traz um risco também para algumas doenças genéticas.
**
Um novo estudo islandês publicado nesta quarta-feira (22) pela revista “Nature” reforça uma descoberta recente dos cientistas de que a idade do pai no momento da concepção influencia a saúde da criança. Os filhos de pais mais velhos apresentam maior risco de desenvolver condições como o autismo e a esquizofrenia.
Em abril, uma pesquisa da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, já havia mostrado relação entre a diferença de idade entre pai e filho e o risco de autismo.
O atual estudo, liderado pelo grupo “deCODE Genetics” analisou o genoma de 78 homens islandeses e seus descendentes para calcular a quantidade de mutações genéticas nos filhos, de acordo com a idade do pai.
Os cientistas descobriram que o filho de um pai de 20 anos de idade nasce com uma média de 25 mutações genéticas. Se o pai tinha 40 anos no momento da concepção, esse número sobe para 65 mutações. Segundo o estudo, o aumento é da ordem de duas mutações para cada ano de vida do pai, ao longo da vida adulta.
O que o estudo levou em consideração foram as chamadas mutações “de novo”, características que surgem nos bebês, mas que não estavam presentes em seus pais.
A variação acontece só com o pai, e não com a mãe, porque as mulheres já nascem com todos os óvulos – células femininas que são fecundadas e dão origem aos bebês. Já os espermatozoides, células reprodutivas masculinas, são produzidos ao longo da vida. Por isso, elas sofrem mais divisões celulares e são mais sujeitas ao risco de mutações.
De forma geral, essas mutações nem sempre fazem mal ao bebê – inclusive fazem parte do processo evolutivo. Segundo os especialistas, cerca de 10% dessas mutações são maléficas, podendo causar problemas brandos ou mais graves, como o autismo e a esquizofrenia.
“As populações humanas modernas estão sujeitas a muito menos pressão seletiva do que aconteceu ao longo da história da evolução humana. Como as mutações maléficas são mais comuns que as benéficas, a evolução sob essa seleção relaxada inevitavelmente levará a um declínio da saúde média da população”, avaliou Alexey Kondrashov, da Universidade de Michigan, nos EUA, em um comentário também publicado pela “Nature”.
Fonte: G1

Compartilhe: