Notícias sobre Esquizofrenia – Junho/2009


Do Portal Entendendo a Esquizofrenia
18/06/09 – É possível prevenir a esquizofrenia e outras doenças mentais? – Reportagem publicada no site Time.com pergunta a especialistas se é possível prevenir doenças mentais como a esquizofrenia e a depressão. O psiquiatra William McFarlane, da Escola de Medicina de Maine, em Portland, estudioso do assunto desde meados da década de 70 e autor de diversos artigos sobre o tema, afirma que, no caso da esquizofrenia, indivíduos predispostos à doença têm maior chance de surtarem quando há na família dificuldade de comunicação, altos níveis de críticas e de sobrecarga emocional e quando familiares não conseguem lidar bem com os conflitos e problemas do dia-a-dia. “A prevenção começa em identificar casos que apresentam sintomas iniciais da esquizofrenia, o que já é possível predizer com certa segurança a partir dos 16 anos, e em iniciar uma abordagem com a família, reduzindo os níveis de estresse que serão cruciais para um primeiro surto. Não são necessários medicamentos na maioria dos casos, a menos que alguns sintomas típicos da esquizofrenia já estejam ocorrendo, como alucinações, por exemplo”. Segundo o médico, é possível retardar ou mesmo prevenir um primeiro surto, contribuindo para que a pessoa possa estudar, se formar e conseguir um trabalho (Time.com).
11/06/09 – Virose durante a gravidez é fator de risco para a esquizofrenia em pessoas predispostas – A infecção pelo vírus influenza em gestantes é um dos fatores de risco conhecidos para a esquizofrenia em seus filhos. Como o vírus é muito comum, existe grande preocupação dos especialistas com essa associação. Em um estudo publicado este mês na revista Biological Psychiatry, o grupo do Dr. Lauren Ellman verificou que, em crianças que a partir da adolescência desenvolveram a esquizofrenia, a infecção pelo influenza durante a gravidez foi associada a problemas cognitivos aos 7 anos de idade. A cognição não foi afetada em crianças expostas ao vírus durante a gestação, mas que não adoeceram mais tarde. Os resultados da pesquisa foram associados somente à exposição ao influenza do tipo B e não ao tipo A. O estudo faz parte do Projeto Perinatal, que acompanhou mulheres grávidas na década de 50 e 60, coletando sangue durante a gravidez para análise, e que seguiu acompanhando seus filhos até o desfecho ou não do quadro psicótico na fase adulta. Os achados da pesquisa confirmam a existência da ligação entre a genética e fatores ambientais, no caso a infecção pelo influenza B, na esquizofrenia. “A boa notícia é que a maioria dos filhos expostos ao vírus durante a gravidez não desenvolverão a esquizofrenia pela falta da predisposição genética. A má notícia é que esta associação ficou confirmada para quem tem a predisposição”, afirma Dr. John Krystal, editor da revista (ScienceDaily).
08/06/09 – Artigo publicado no jornal O DIA aborda os principais tabus da esquizofrenia – O psiquiatra Leonardo Palmeira aborda estigmas como o da violência, da culpa, das internações prolongadas e da impossibilidade de recuperação que rondam a doença.

Compartilhe: