Estudo relaciona técnicas de fertilização in vitro com maior risco de autismo e baixo QI.


No primeiro estudo a comparar todos os tratamentos de fertilização in vitro (FIV) disponíveis e o risco de desordens no desenvolvimento neurológico em crianças, os pesquisadores concluíram que os FIV para as formas mais graves de infertilidade masculina estão associados com um risco aumentado de deficiência intelectual e autismo.

Considerado o maior estudo do tipo já realizado, o trabalho teve a participação de pesquisadores do Kings College London (Reino Unido), Karolinska Institutet (Suécia) e da Escola de Medicina Mount Sinai, em Nova York (EUA).

Ao usar dados anônimos dos registros nacionais suecos, os pesquisadores analisaram mais de 2,5 milhões de registros de nascimento entre 1982 e 2007. Todos os registros foram acompanhados até 2009 em busca de diagnóstico clínico de autismo ou deficiência intelectual (definida como QI abaixo de 70). Das 2,5 milhões de crianças que participaram da pesquisa, 1,2% (30 mil) nasceram com uso da fertilização in vitro. Entre os 6.9 mil casos diagnosticados com autismo, 103 nasceram após FIV; dos quase 16 mil casos com deficiência intelectual, 180 nasceram após FIV.

Sven Sandin, do Instituto de Psiquiatria do King College de Londres, afirmou que “os tratamentos de FIV são muito diferentes em termos de sua complexidade Quando olhamos para os tratamentos de fertilização in vitro combinados, descobrimos que não havia risco global de aumento dos casos de autismo, mas um pequeno aumento do risco de deficiência intelectual. Quando separados os diferentes tratamentos de FIV, verificou-se que a fertilização in vitro “tradicional” é segura, mas que a fertilização in vitro envolvendo a injeção intracitoplasmática de espermatozóides (ICSI), especificamente recomendada para infertilidade paterna, está associada com um risco aumentado dos dois problemas deficiência intelectual e autismo. ”

Comparando com a concepção espontânea, as crianças nascidas a partir de qualquer tratamento de FIV não estavam em um risco maior de autismo, mas apresentavam um aumento do risco de deficiência intelectual médio de 18% (de 39,8 para 46,3 por 100 mil nascidos ano).

Em segundo lugar, os pesquisadores compararam os seis diferentes tipos de procedimentos de FIV vitro disponíveis na Suécia (se foram utilizados embriões frescos ou congelados, se foi utilizada a ICSI, e em caso afirmativo, se o esperma foi ejaculado ou extraído cirurgicamente). Desenvolvido em 1992, a ICSI é recomendada para a infertilidade masculina. Atualmente, o procedimento é usado em cerca de metade de todos os tratamentos de FIV. O procedimento envolve a injeção de um único espermatozóide diretamente em um ovo, ao invés de fertilização acontecendo em um prato, como no padrão de fertilização in vitro.

Crianças nascidas após tratamentos de FIV com ICSI (com embriões frescos ou congelados) tiveram uma taxa de 51% de aumento do risco de deficiência intelectual (de 62 para 93 por 100 mil). Esta associação foi ainda maior quando relacionada a um parto prematuro, chegando a 73% (de 96 para 167 por 100 mil). Mesmo quando levado em conta os nascimentos de gestações múltiplas e os nascidos pré-termo, o tratamento de FIV com ICSI em embriões frescos foi associado com um risco aumentado de deficiência intelectual.

Um dos casos de maior destaque foram as crianças nascidas após FIV com ICSI com esperma extraído cirurgicamente e embriões frescos. Nestas condições, o aumento do risco de autismo foi de 360% (de 29 para 136 por 100 mil), uma associação que desapareceu quando os nascimentos múltiplos foram levados em conta.

Fonte: R7.com

Compartilhe: